segunda-feira, 19 de novembro de 2007

APOIO SURPREENDENTE

Estivemos hoje em Goytacazes junto dos companheiros filiados do Partido dos Trabalhadores e lideranças comunitárias,em um animado e concorrido almoço de confraternização. Para as em torno de duzentas pessoas que lá compareceram, o assunto naturalmente que, além de outros, não poderia deixar de ser a disputa que está acontecendo pela nova direção do PT em Campos.
Achei muito importante esse encontro, tendo em vista que o núcleo de base de Goytacazes sempre foi decisivo não só nas eleições internas dentro da sigla, como também nas eleições municipais. Lá estivemos com as lideranças locais do José Cláudio, da Joseni, da Ana Paula, do Saulo, além do apoio importante do Coordenador do Núcleo de Goytacazes, Izaías Pacheco e do Secretário da Juventude Petista, o Guilherme Pacheco.
As adesões que estão acontecendo à Chapa BOTE ESSA ESTRELA NO PEITO, realmente estão nos surpreendendo. Eu diria que eu perdi o controle, se é que se pode controlar movimentos motivados de reação justa e protesto semelhantes.
Quando nós fomos convidados por parte da atual Executiva do Partido para compor um Chapão, nos colocamos contrários à essa idéia, visto que na nossa consideração, em qualquer organismo de controle social, seja sindicato, associação de moradores ou até e principalmente Partido Político, esse procedimento estaria matando qualquer possibilidade de sobrevivência da democracia interna, que é o mecanismo mais salutar da mútua vigilância, e que impede alguém se sentir absoluto e ficar sujeito a cometer pequenos e grandes equívocos.
Na nossa consideração, um Chapão seria assinar em baixo da estratégia equivocada da Executiva de fazer aliança com o Governo Municipal , apesar de ter passado pela votação do Diretório, que resultou em placar apertado de 19 votos contra 15.
Assim, estaríamos faltando com a coerência, visto que nós estávamos naquele grupo que votou contra a ida do Partido para a Administrãção Municipal. Além disso, estaríamos adiando por mais um longo tempo, a possibilidade do retorno dos Petistas Históricos, afastados por não concordarem com a condução atual do Partido e que foram alijados do processo de discussão.
Quando lançamos uma chapa de oposição, na nossa cabeça, confesso não passou qualquer tipo de vaidade ou revanchismo. O que nós intencionamos naquele momento era estabelecer um ambiente de debate em que diversos assuntos deveriam ser discutidos e, entre eles, uma reavalização da "aliança" feita com o governo municipal, denunciado severamente pelo TCE, acionado pelo Ministério Público e até investigado pela Polícia Federal.
Assim, nem que só tivéssemos os votos (em torno de 50) do Núcleo José Nogueira Manhães, o que nos garantiria em torno de duas vagas no Diretório e mesmo sendo minoria absoluta, gostaríamos de continuar o debate e ser o contraponto nas discussões, que se fazem necessárias.
Todavia, para nossa agradável surpresa, estamos recebendo uma adesão maciça dos idealistas históricos do PT. Luciano D'Angelo, Adilson Sarmet, Roberto Moraes, Adão Farias, Fábio Siqueira e outros membros importantes. Temos a forte convicção de que essa adesão tem muito pouco a ver com a pessoa anônima desse militante, mas sim com a animosidade que a atual maioria da Direção municipal provocou com a sua equivocada e ausente sensibilidade dedemocracia interna no trato petista.
Além deles, a presença do Godofredo Pinto, Prefeito de Niterói, modelo nacional de administração petista é motivo de muita honra, por sabermos que essas adesões transcendem a disputa política interna com o seu olhar voltado na direção do bem comum.
Temos a proposta sadia de um PT com portas abertas, com cursos de formação política, com o retorno da frequência dos militantes ao Partido e, principalmente, trazer de volta a democracia interna, que vão certamente provocar o crescimento do Partido, junto com a sua mililtância e em benefício da sociedade.



quinta-feira, 15 de novembro de 2007

domingo, 21 de outubro de 2007

Essa é uma guerreira.

Hoje amanheci e me deparei com aquela figura feminina. Em pé, frente ao fogão, um pouco envolvida com o esvoaçar da fumaça do cheiroso café, ela nem parecia chateada com aquela rotina que se repete há mais de 14 anos.
Ela já havia me antecipado e ido à padaria, trazendo o pão quente e as outras guloseimas acessórias que o dinheiro curto, às vezes, proporciona. Me deu uma vontade muito grande de abraçá-la. Mas não o fiz. Achei que não teria o correspondente discurso para acompanhar o gesto.
Aí resolvi vir ao meu bloco de anotações para tentar dizer a ela alguma coisa. Você parece uma predestinada. Parece que a Divindade lhe confiou neste mundo inóspito uma missão muito dignificante. Tem sido assim com voce. Já frequentou ambientes glamurosos de alegres festas e falsas alegrias.
Na minha vida, um pouco mais sem aquele brilho, você chegou, não foi por um acaso. Alguma coisa estava escrita em que um acordo lhe confiara mais essa missão. Voce, embora não perceba e a própria rotina das adversidades da vida se encarregam de mascarar essa realidade, já alcançou e resgatou muita coisa, das quais eu sou testemunha e você, se parar para pensar, sabe. E é nesse descompasso entre o físico e o mental que resolvi hoje te homenagear. Você é uma guerreira, que não teme a guerra. . Mas, ao contrário, frequenta o campo de batalha, em busca vidas, de projetos e almas. Aqui neste plano, saiba, você talvez não tenha toda a paga pelo que você é e produz. Mas tenho a certeza, o prêmio maior está reservado para aquela que oferece honestidade e lealdade para aqueles com quem caminhas.
Um abraço que não dei, um beijo que certamente lhe darei e o reconhecimento que sempre terei com você, Suely Artiles da Silva, minha companheira de vida e lutas.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

BOTE ESSA ESTRELA NO PEITO

Com o retorno da Democracia, observamos que algumas das suas instituições pilares avançaram de forma bem acentuada. A Imprensa, apesar de ainda existirem alguns órgãos ainda atrelados a grupos e a opiniões que as vezes correspondem tão somente aos recursos que entram nas suas contas de publicidade, ela sem mantem com os olhos investigativos e atentos ao desempenho dos atores que compõem esse processo.
O Ministério Público tem também estado atento, produzindo e acatando as denúncias contra aqueles que ferem o decoro e transgridem a lei .
O Judiciário com a sua compreensiva morosidade, ocasionada pelos investimentos que priorizam muito mais a questão imobiliára do que o seu funcionamento, carece de uma total automação dos procesos e da melhoria na remuneração dos seus membros, sem distinção, ele já retirou de circulação os maus intencionados que maculam a outorga popular do voto.
A sociedade, parece que está cada vez tomando gosto pela indignação contra os corruptos e corrutores do processo democrático. E aí, por inclível que pareça, o personagem central - os Partidos Políticos - cada vez mais se distanciam da responsabilidade de gerir a coisa pública e de fazer as leis que, além dos foros especiais de auto proteção, possam produzir o bem estar social, a divisão das riquezas e a moralização do seu proceder, nao ocupando a maior parte do seu tempo em explicar para a sociedade os seus erros.
Regressando o pensamento para a nossa realidade local go PT de Campos dos Goytacazes, a Chapa "BOTE ESSA ESTRELA NO PEITO", não tem a pretensão tanta de ser a solução de todos os males, mas se coloca como processo alternativo na administração do Partidos os Trabalhadores, que tem como poucos outros, no seu Estatuto e na sua vida orgânica, o tripé democrático DO VOTO, DA PROPORCIONALIDADE e DAS INSTÃNCIAS, que afugentam de forma eficiente, os donos e os caciques partidários.
Como Propostas, estamos oferecendo a possibilidade de um Diretório que tenha a visão democrática de não alijar do processo das discussões aqueles companheiros que pensaram, se posicionaram e até votaram contra propostas levadas pela ao plenário. Após o embate, eles tem que continuar a serem convocados para as "reuniões", porque a sua posição contrária não quer dizer que não possam contribuir para os avanços necessários ao Partido e à Sociedade.
A nossa Juventude Petista, não pode ser marginalizada por pensar novo e diferente. Afinal elas são a nossa melhor mão de obra. Ela é o futuro do Partido e da política.
Estamos nos colocando à disposição de dar ao Diretório Municipal uma administração mais democrática, como deve ser o PT, com maior transparência, com sede aberta, com a Formação Política e a socialização das informações e formações, atraindo os filiados que hoje só são chamados quando são necessários para o Processo de alternância do Poder, bloqueando e impedindo qualquer contribuição sua para o crescimento do Partido.
Achamos que as alianças políticas são um instrumento democrático que não pode ser deixado de lado. Porém a sua utilização tem que ser de forma discutida, e responsável e que possa servir a um projeto de crescimento da sociedade e não para atender a um plano particular de ansiosos.
Queremos pegar de volta na gaveta a nossa Estrela e colocá-la de volta do peito, sem nenhuma vergonha. Os equívocos não foram cometidos por todos os petistas e sim por alguns poucos companheiros que ao chegar ao Poder, se isolaram erasgaram nossos Estatuto e jogaram fora toda uma história de ética, idealismo e luta democrática.Se foram culpados ou não quem quem tem quer julgar é a Justiça e o povo nas urnas.
Precisamos encarar o eleitor e o povo de cabeça erguida e dizer isso para eles. Se for preciso, temos que pedir desculpas por termos frustrado toda uma geração, pela expectativa que criamos ao longo do processo da chegada ao Poder.
Mas também nem tudo está perdido nem tudo foi em vão. Com o Lula tem menos gente passando fome. O nível de emprego ainda não é o desejado, mas melhorou e em muito, provocado pela Economia que alijou de vez a infração e que possibilida um planejamento de longo prazo. O crédio voltou. Está aumentando a distribuição das riquezaes e diminuindo as diferenças sociais. O computador está em muitas casas e a visita à internet aumentou consideravelmente. As instituições democráticas estão avançando e isso é uma excelente garantia para mais investimentos privados no país. O que falta fazer e melhorar depende também de nós, da nossa intervenção e da nossa cobrança.
Temos a certeza de que podemos intervir e melhorar nas coisas que acontecem à nossa volta. A ocasião é votando de dois em dois anos nos menos piores e, principalmente, nos filiando aos Partidos Políticos. Não adianta ficarmos falando para a Lua. Nos Diretórios dos Partidos é que podemos melhorar a qualidade dos políticos e cortar as asas daqueles que elegeram para si projetos pessoais e e que não tem nada a ver com o povo. É a hora de sensiblizar os filiados que foram para casa desanimados ,jogando no armário as suas estrelas e o seu sonho. Queremos chamá-los de volta. Vocês tem muito a contribuir e nós queremos ser essa alternativa democrática para viabilizar essa contribuição.
BOTE ESSA ESTRELA NO PEITO

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

GANHEI O MEU DIA

Hoje recebi em minha casa uma visita de alguém que me fez ganhar o dia. Há algum tempo que não o via. Enquanto o cumprimentava, me vieram à mente os quase 30 anos que caminhamos juntos em jornadas das mais difíceis. Um dia, ele comandou por 15 dias uma greve que foi programada pelas Centrais Sindicais mas que, no final, só nós companheiros da antiga TELERJ de Campos a fizemos. Ele enfrentou a polícia, foi agredido, mas encerrou dignamente aquele movimento, com muitos companheiros cantando o Hino Nacional.
Começava surgir ali uma grande liderança sindical. Daquelas que brigava pelos outros, sem pedir nada para si. Devolveu aos empregados da TELERJ o respeito da Chefia e a valorização do seu trabalho. Marchou com outros sindicalistas, como Wilson, Eder, Solange, Abel, Eulálio, Paulinho Cachinguele, Walace, Rafanelle... criando o movimento Sindical de Campos, infelizmente hoje tão silencioso. Designado pelo então Prefeito da época, Arnaldo Viana, para presidir um Movimento para o Desenvolvimento de Campos, ele o fez com zelo e desapego. Quando percebeu que com a doença do Prefeito o movimento tinha se esvaziado, ele entregou a função, diga-se de passagem não remunerada, por não concordar com a influência da Primeira Dama.
Quando apresentávamos o Programa "Tribuna Livre" da Rádio Continental, ele organizou a Campanha "Em Busca da Luz", em benefício do então menino Wagner, filho do Toninho da CEF e outros portadores da retinose pigmentar. Além das doações feitas por ocasião de um show na Praça São Salvador, ele conseguiu através do Programa da Xuxa, a doação de 30 mil reais, o que possibilitou a ida à Cuba de Wagner, Ricardo Lavalhos e a destinação do saldo para outro portador da mesma deficiência também poder viajar para Cuba.
Quando foram colocadas em suas mãos duas vagas para Juiz Classista, ele ao invés de pegar uma para si, já que assim tinha sido disponibilizada, não o fêz. Ao contrário, entregou uma para Aquino, seu companheiro de Diretoria do Sindicato dos Telefônicos e a outra para o companheiro Eulálio.
De outra feita, apareceram várias oportunidades para Congressos Internacionais de Trabalhadores. O normal seria que ele viajasse. Mais uma vez, ele as repassou para outros companheiros. Numa dessas oportunidades, esse humilde bloguista, oriundo da Baixada da Égua -( leia-se Retiro, localidade próxima à Barra do Furado) teve a grande oportunidade de conhecer boa parte da Europa (Itália, Espanha, Portugal, Inglaterra, Grécia), além dos Estados Unidos e da Costa Rica, na América Central.
Ele sempre foi assim, não tinha vergonha de pedir. E sempre para os outros.Segundo ele o máximo que poderia acontecer seria um não. Em outra oportunidade, quando José de Castro era então Presidente da TELERJ, ele conseguiu articular a vinda, de forma pioneira, do Telefone Celular para Campos (aquele que era chamado de tijolão). Poucas cidades do interior o tinha. Campos foi a primeira.
Hoje, em sua visita, sabedor que ele atravessa, como muitos, por dificuldades financeiras, lembrei-me de que o cargo de Coordenador da Farmácia Popular do Governo do Estado em Campos, que lhe fora oferecido, foi indicado por ele para a filha de um companheiro de sindicato. Mais uma vez ele pensou nos outros. E é por isso que hoje, pensando em você, me motivei a voltar ao meu Blog para lhe prestar esta simples homenagem. Saiba meu companheiro que tem Alguém te observando e que vai te dar muita coisa, desta vez sem voce pedir, porque é fruto do seu merecimento, meu amigo e companheiro Antonio Roberto Chaves da Fonseca, meu caro DEGAS, tenho muito orgulho de ter voce como amigo.

sábado, 15 de setembro de 2007

sonho com um mundo encantado

Naquela tarde, Pedro Paulo chegou em casa em torno das 18.15, como sempre ocorria chegando da Fábrica de Tubos Nova Campos. Daquela vez não estava com aquela agilidade toda, numa autêntica olimpíada que aprimorava a cada dia - fazer três coisas ao mesmo tempo: folgar a gravata com a mão esquerda, desafivelar o cinto da calça, com a direita e com os pés, de forma alternada, jogar longe os seus sapatos.
Da cozinha, Beatriz, sua mulher gritava:
- Já chegou, Pedrinho, já vou levar sua bermuda.
Mas sua voz, já cansada pela vida, não chegou a ser claramente ouvida por Pedro Paulo. Uma forte dor lhe subia pelo braço esquerdo, precedida por uma forte dor de barriga além da sudorese que lhe molhava a testa e a camisa, que mal conseguira desabotoar. Ao chegar à sala com a bermuda na mão, Betriz se assustou!
- O que é isso, Pedrinho, você está tão pálido!
- Chame o Pronto Socorro, por favor, acho que estou morrendo!
Beatriz ficou por alguns segundos estatelada, com os braços estendidos. Como se fosse jogado por alguém, as bermudas lhe cairam das mãos. Olhando apavorada para aquele quadro, conseguiu chegar a um canto da sala, onde estava o seu telefone.
- Alô, Alô, é do Pronto Socorro. Por favor, meu marido esta sofrendo um enfarto, venham pelo amor de Deus socorrê-lo.
Colocou o telefone no gancho e correu de encontro ao marido, ajudando-lhe a folgar a gravata e a desabotoar a camisa, como se quisesse facilitar a penetração do ar. Mas o quadro de enfarto era realmente apavorante e ela não sabia o que fazer. 5 minutos já se passaram desde que tinha feita a ligação, pareciam uma eternidade. Olhando para o relógio que estava na parede da sala, mal percebeu 3 homens de branco que entraram em sua sala, dois deles empurando uma maca.
- Oh, graças a Deus, vocês chegaram!
- Minha senhora, se acalme já estamos levando o seu marido.
Como o casal participavam dos atendimentos do PSF (Programa da Saúde da Familia), do Governo Federal, Beatriz foi ao quarto, de onde voltou trazendo uma ficha, onde constavam os dados de Pedro, incluindo tipo sanguíneo, problemas alérgicos, enfim, um verdadeiro prontuário médico, onde sua saúde era acompanhada, de forma preventiva, pelo Programa a cargo da Prefeitura.
Pedro já não estava mais na sala, os paramédicos já o haviam levado para a ambulância, onde ela já estava ligado aos aparelhos de socorro, naquela verdadeira UTI móvel. Enquanto um recolhia seu sangue para os exames que seriam feitos ainda na viatura, o outro já estava ligando para o Hospital, passando todos os seus dados.
Sem trocar de roupa, Beatriz seguiu com eles na ambulância que com a sirene ligada, abria espaço por entre os carros daquela movimentada avenida. Não levou mais que 10 minutos, lá estavo o Hospital. O Pronto Socorro, nem parecia ser de um hospital municipal, muito pouco gente e nenhuma fila, apenas alguns seguranças e os atendentes . Na sua portaria uma equipe de Médicos e enfermeiros já o estava aguardando. Não demorou muito e Beatriz, foi barrada em uma porta de vidro, além da qual ela não poderia ir, por se tratar de da UTI para problemas cardíacos.
Ali, em frente à porta, ela ficou por um bom tempo, muito apreensiva. Afinal, aquele homem que tinha ultrapassado aquela porta era seu companheiro, por mais de 4o anos, e era mais que um marido - era seu amigo, uma das razões pela qual ainda tinha muita alegria em viver.
Pela sua cabeça, passaram os momentos felizes que eles juntos passaram, desde o tempo em que se conheceram na Faculdade de Economia, o casal de filhos que estavam trabalhando na Capital do Estado e os seus netos que tinham estado com eles no último fim de semana.
Enquanto aquele filme passava, seus olhos marejados, mal observaram que em pé à sua frente um homem de branco, com os seus cabelos grisalhos e uma máscara verde sobre o peito, a trazia de volta a realidade.
- A senhora é esposa dele?
- Sou sim, doutor, como ele está?
A rapidez no socorro, aliado ao fato de que ele já dera entrada no Hospital, com vários procedimentos médicos já realizados na UTI móvel, conseguiram contornar o enfarto.
- Fora de perigo, Dona Beatriz. Deve ficar uns dois dias em observação, depois ele vai ter alta.
O barulho do motor do carro, na varanda era tão forte, que parecia estar dentro da sala. Beatriz abriu seus olhos, como se não soubesse quem era e onde estava. Olhou para a televisão ligada a sua frente e a cena da sessão da tarde ajudou a voltar ao mundo do vivos.
Que droga, aquela feijoada que tinha comido no almoço a tinha feito cair em sono profundo.
- Marido, é você?!
Ainda bem que fora um sonho. Na realidade, seria um grande pesadelo.

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

DITADURA NO PT

A exemplo do que acontece no Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Água e Saneamento (Sindicato da CEDAE), onde o grupo de Hélio Anomal, já está no poder há mais de 15 anos, tendo ele já ocupado 3 vezes a Presidência, fica a preocupação com o que vem ocorrendo no Partido dos Trabalhadores, onde ele é o Presidente.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

CONDENAÇÃO DO POVO BRASILEIRO

Passamos quase uma semana sem nos manifestarmos neste Blog. Estávamos atentos aos outros Blogs, acompanhando o julgamento do Renan Calheiros e qual seria o comportamento dos Senadores, inclusive do Partido dos Trabalhadores. Hoje já cientes do resultado, chegamos a seguinte conclusão:

A não ser que esse rebanho de denúncias, algumas delas confirmadas pela Polícia Federal, seja obra de ficção da Imprensa e da atual Oposição, a luta pelo Poder chegou ao fim do imaginário lógico em relação ao compromisso dos políticos com a opinião dos brasileiros e as obrigações éticas e morais para quem se lança na vida pública. Escondidos na votação secreta, fica a dúvida se os companheiros do PT votaram contra ou a favor de Renan e, com isso, só na dúvida, cada vez mais a imagem do Partido vai se enfraquecendo enquanto Partido de Esquerda, até bem poco tempo com um gosto refinado pela ética, pela moral e por dar bons exemplos para aqueles que nele apostaram. Fica parecendo que em um exame minucioso do nosso DNA, iriam aparecer pigmentos de direita, quantidade acentuada de neo-liberalismo e quase um diagnóstico acertado de que apenas não somos diferentes dos outros Partidos. Só falta nos convidar para pousarmos nus.

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

INDEPENDÊNCIA OU CONTINUA NO MESMO

7 de Setembro. Já se passaram 185 anos que alguém montado em um cavalo disse: Independência ou Morte! Aí, indagamos, de quem, cara pálida, se até hoje estamos alimentando essa mesma Corte com nossas vidas? Nada mudou. Quem proclamou a independência também já havia tomado gosto em ter alguém para o servir, mesmo que fosse para selar o seu cavalo. E as outras coisas, quem as faria? A elite é a mesma, em nada mudou. Apenas as formas. No Império, era necessário alguém para manter acesas as luzes e a luxo dos palácios, enquanto nas sombras apenas a dor, a fome e a humilhação eram o ombro amigo, a consolar o povo na espera das sobras que cairiam de suas mesas.
Depois, a República. Agora sim! Nós poderíamos "escolher" quem iria mandar em nossas vidas. Muitos prometeram, se elegeram e passaram, mas pouca coisa cumpriram, porque alguém teria que continuar a manter a festa. E esse alguém era o Povo.
Essa mesma elite inventou que o Comunismo matava e comia criancinhas e com as suas sobras, fazia sabão. Como as Forças estavam com ela, pois só seus filhos chegavam aos postos de Comando, promoveram o silêncio de chumbo. Foram quase 25 anos. Ficamos impedidos até de pensar, pois a tortura e até a morte eram o castigo para quem ousasse. Mas, cansados, devolveram aos civis a Pátria Mãe Gentil. Nos enchemos de esperança. Viva a Democracia. Finalmente nós iríamos tomar conta desse Brasil varonil, mas p... nada mudou. Até o trabalhador chegou ao poder, mas para isso teve que se aliar a essa mesma elite, se não lá não chegava. Mas mesmo assim pouca coisa mudou. A economia, que maravilha. Está sob controle. Dos banqueiros. Voce coloca seu dinheiro no banco para ele ganhar mais dinheiro e eles te pagam menos de meio por cento de remuneração. Mas quando voce vai pedir o mesmo dinheiro emprestado eles cobram quase 15 por cento. Criaram as Agências Reguladores, que só regulam para o lado das Empresas, enquanto o consumidor paga cada vez mais caro a conta. As leis, também em nada mudaram. Os parlamentares parecem que só criam leis para se protegerem. Esse tal foro privilegiado é uma aberração legal, considerando que todos nós somos iguais perante a Lei. Mas não é assim. O lascado rouba uma galinha, entra na porrada e confessa até que participou do Mensalão. Já os privilegiados tem o seu fôro próprio para absolvê-los, através dos recursos nas leis que eles criaram para si mesmos, e do dinheiro fácil que oferece bons advogados. Na Reforma Política, o Poder é tão fascinante que iventaram a tal da reeleição. Porque 4 anos eram pouco.Mas também não resolveu. O governante passa o primeiro mandato pouco fazendo só pensando no segundo.E o segundo justificando o que não fez no primeiro.

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

AÍ O PT CHEGOU AO PODER

Finalmente o PT chegou ao Poder, depois de muitos meses de namoro. De um lado uma família, com algumas filhas não muito aquinhoadas com a beleza eleitoral, se insinuando para o moço rico que já está no Palácio da Planicie. Do outro lado, o próprio moço rico, gastoso, que tem o mau hálito da má versação de recursos e do esconder tudo que é público. Para esse matrimônio acontecer, foi necessário buscar aquela terceira bela moça da família, que tem 34 de cintura, melhor dizendo 34 mil votos de poderio eleitoral. Aí a coisa aconteceu. Terminou a ansiedade e as pupilas dilatadas pela possibilidade de assumir um cargo relaxaram, voltando ao tamanho normal. Como ninguém é de ferro, os nossos matutinos estampam hoje charges charmosas, mostrando uma bela donzela, assustada, a pedir para o jovem varão ser paciente nas primeiras.
E o nome do nosso Partido, indo para o brejo, como dizem, o partido da Boquinha. Precisamos mudar isso, precisamos chamar os idealistas de plantão de volta, para dar novos rumos ao nosso destino. Precisamos conversar.

terça-feira, 21 de agosto de 2007

faro jornalítico

Certa ocasião, quando apresentávamos O Programa ¨HORA DO TRABALHADOR¨, em uma Emissora de Rádio de Campos e entrevistávamos o então candidato à Presidente do Sindicato dos Profissionais e Servidores Públicos Municipais, Lailson Rangel, que postulava o cargo que era ocupado pelo então Presidente Boné, a entrevista descambou-se para algumas críticas mais ácidas ao Prefeito da época.



Para nosso espanto, o gerente da Rádio mandou que o operador de áudio tirasse do ar o Programa. Chamados à sua sala, fomos informados que deveríamos maneirar nas críticas, já que a Prefeitura era um grande anunciante da Emissora.



De volta ao microfone, já que concordamos com as orientações do Gerente, demos a seguinte informação: ¨Senhores ouvintes, estivemos alguns minutos fora do ar porque criticamos um grande anunciante da Rádio...¨Aí não teve outra alternativa, foram obrigados a deixar que terminássemos o Programa, pelo menos naquele dia.



Estou narrando este fato para aqueles que tem o costume de todas as manhães ler os jornais de Campos. Por menor que seja o seu senso observativo,vai perceber que a linha editorial e redacional são muito evidentes e são claramente norteadas, mais pelo interesse financeiro de quem financia sua edição, do que pelo faro investigativo e descritivo dos fatos diários da nossa cidade.



Exemplo disso evidenciou-se nas últimas semanas em Campos. Para onde teria ido o Prefeito da Cidade. Não vai aqui nenhum juizo de valor. Todavia, se um jornal levantou a bola de que o Prefeito estava desaparecido, não seria o papel de todos os outros matutinos se dedicarem à tarefa maior de seus jornalistas em fazer a investigação e clarear os fatos.



Não foi isso que se observou. Os jornais que atualmente recebem um maior volume de recursos da Prefeitura em suas contas de propaganda, nem no assunto tocaram. Pelo contrário, na sua linha redacional, parecia que tudo não passava de uma farsa montada pelo concorrente. O acompanhamento dos fatos dava a entendeder que o Prefeito estava realmente em Campos, ou quem sabe no Rio ou em São Paulo, cuidando de interesses da cidade. É neste momento que o leitor precisa do faro e da responsabilidade investigativa e jornalística de quem faz a cobertura dos fatos. Isso, se a exemplo daquele Programa e daquele Gerente, não estiverem realmente impedidos de exercerem a sua profissão com liberdade.

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Fundecam - O que é e para quem?

No último concurso feito pela Prefeitura de Campos dos Goytacazes, a cidade experimentou um dia totalmente atípico. O trânsito foi totalmente alterado, chegando a influenciar a BR-101, na altura da Estrada do Contorno. E olha que a General Dutra, está fechada. E isso há mais de 6 meses. Quem chegava à cidade só pode saber do que se tratava, quando passava em frente aos locais aonde estavam sendo realizadas as provas para as vagas para o HGG. Estimou-se em torno de 30 mil candidatos. Que bom se todos esses cargos, hoje terceirizados, fossem oficializados através de Concursos. As pessoas teriam mais garantia no emprego e maior independência. Não precisariam beijar as mãos daqueles que os indicaram, nem serem obrigados a neles votar.

Os jornais da cidade, principalmente aquele que parece ser o verdadeiro Diário Oficial do Município, pela propaganda que faz e pela parcialidade que dão às notícias, tem anunciado a chegada de várias Indústrias e, a cada anúncio, centenas de vagas de empregos são criadas.

Mas tem uma coisa que nos deixa curiosos. Nunca se viu nenhum edital de convocação para preenchimento dessas vagas. Nem tão pouco se viu alguma aglomeração em frente àquelas Indústrias. Quem se colocar durante o dia em frente a essas Indústrias, será que vai de defrontar com aquele visivel movimento de entre e sai de pessoas, principalmente no horário da troca de turnos, como ocorre nos grandes centros industriais. Tudo parece muito silencioso, quase virtual.

Um beneficiado dos financiamentos do Fundo, chegou a dizer ¨dinheiro barato assim, não se acha em nenhum lugar do mundo¨. Aí vem outra dúvida. Esse tipo de Fundo tem que ter, no mínimo o retorno financeiro para não quebrar. Quem é que fiscaliza se há ou não inadimplência. Seria a Câmara Municipal? Sabe-se que, com exceção dos vereadores Nelson Nahim, Geraldo Venâncio, Edson Batista e, apesar do cargo de ocupa, Marcos Bacelar, os outros não estão em condições de fazer qualquer tipo de cobrança, uma vez que participal do ¨bloco de apoio¨.

Seria algum Conselho, mas qual e quem é que dele participa. Só se sabe que essa caixa é fechada e não se sabe qual a cor dela.

Esse Fundo, criado por Arnaldo Vianna, quando Prefeito, tem na sua implantação, uma excelente idéia. A sua condução é que parece estar carecendo de um melhor e maior controle por parte da população que dele também é dona.

Seguidores

Loading...